Usuários windous* estão sofrendo Síndrome de Estocolmo

Quando a auto-ilusão é uma estratégia de sobrevivência do refém.

Após algum tempo observando surpreendentes e chocantes declarações de usuários windows* como:
Os computadores estão muito bem. Só há o detalhe que duas vezes por dia a gente tenha de parar a empresa por 20 minutos, bem no meio do expediente e no pico de movimento, para reconstruir o banco de dados e reiniciar a rede. Se não fizermos, corrompe tudo e tem de restaurar do backup.
Tirando o fato de que não podemos usar mais de 25 ao mesmo tempo, senão trava tudo e perde os dados, é ótimo.
Deixando de lado as invasões e vírus, é muito seguro.
De vez em quando perco os arquivos de meu trabalho. Mas é a vida. Saudade da minha máquina de escrever.
É só reformatar e reinstalar tudo de novo e achar as cópias dos meus trabalhos que posso voltar a trabalhar. Pela terceira vez este ano, mas computador é assim mesmo.
É muito bom. Muito bonito. Apenas tive de pagar $$$ por uma máquina bem mais potente para poder fazer o que eu já fazia na versão anterior.
É um excelente suporte técnico. A gente tem de sempre reiniciar ou reformatar e reinstalar tudo, mas eles sempre ajudam e não cobram tão caro assim.
Comecei a ver algum traço emocional comum nessas histórias tristes.
Os usuários uindous* estão reféns e sofrendo com a Síndrome de Estocolmo.
Notei alguns elementos básicos que fundamentam esta constatação. Claro que agradeceria comentários de psicólogos diretamente abaixo (precisa estar cadastrado no quadro do lado direito).
São os elementos:
  • desequilíbrio de poder
    • opressão
  • culpa
    • manipulação
    • conformismo
  • impotência
    • objetiva
    • subjetiva
  • medo
    • retaliações
    • incompetência de soluções alternativas
  • convivência prolongada
Vejamos os detalhes.

Desequilíbrio de poder
Para haver refém, deve haver um desequilíbrio de poder grande e um regime de opressão no controle de decisões e ações.
Voluntária ou involuntáriamente, o refém delegou ou ficou sob o controle de outrem.
As decisões são tomadas por outrem, em equilíbrio de benefícios desvantajoso para uma das partes, o refém.
Sutil ou explicitamente.
Se for terrivelmente desvantajoso, configura-se a opressão.
Os problemas ficam com a vítima e as maiores vantagens com o esperto.
Este tema já abordei no artigo "quem tem o controle" no quadro em destaque.

Culpa
Por observação empírica, praticamente 95% das pessoas tem relações influenciadas pela culpa.
Hábeis aproveitadores tiram proveito dessa característica para manipular as emoções da vítima.
Assim, a vítima acaba se convencendo de que tem parcela considerável de culpa nos problemas que enfrenta.
Por exemplo, acredita que o sistema trava por sua culpa, que as invasões, vírus e programas espiões são sua culpa. E que por isso ela deve gastar ainda mais em soluções paliativas.
A culpa assumida, conjugada com a impotência, leva ao conformismo e acomodação com a situação.
Por exemplo, veja algumas das citações no início do artigo.
Eu que decidi por isso e agora vou ter de morrer abraçado. Chefe nunca volta atrás. Se o diretor fica sabendo, estarei na rua.
Quando cheguei, já era assim. Então, sempre foi e sempre será desse jeito. Só trabalho aqui.
Muitos sistemas proprietários acabam sendo "carregados" como um problema legado em vez de solução. Ironicamente, o ciclo M$ se iniciou com a proposta de resolver esse impasse e com custo menor...

Impotência
O sentimento de impotência objetiva é resultado da falta de conhecimento, informação sobre possíveis soluções.
A sensação de impotência subjetiva é resultado de distorção de conhecimento, desinformação, sobre possíveis soluções.
A pessoa se percebe aniquilada, subjugada, em uma situação e não consegue vislumbrar uma saída.
Mesmo que esteja à sua frente.
A desinformação é um processo intencional do opressor, para subjugar sua vítima.
Por exemplo, o FUD, medo, incerteza e dúvida.

Medo
Reféns logo ficam com medo de retaliações em reação a suas tentativas de fuga.
Quanto mais reais forem as possibilidades de fuga, maiores podem ser as retaliações.
Também podem ficar com medo de que os possíveis libertadores / salvadores, não tenham competência para a tarefa e acabem matando o refém ou provocando a ira do opressor.
Por exemplo, perda de descontos, aumento de custos de suporte, maior tempo para atendimento de necessidades.

Convivência prolongada
Pode levar a uma aproximação com o opressor, visando conquistar sua confiança, até afeto, para uma melhor chance de sobrevivência.
Se aproxima de seus valores, objetivos, motivações, desenvolvendo identificação (mútua se o opressor também se aproximar).
Numa situação de elevado estresse, a vítima pode sucumbir à própria tentativa de manipulação de realidade e imergir nessa ilusão, crendo na própria fantasia.
Assim a vítima, apesar de espoliada, perder o controle sobre o próprio destino, sofrer prejuízos variados, ainda termina por defender seu opressor e até adotar os valores dele.
E daí? Windows paga minhas contas.
Azar que dê tantos problemas. O diretor viu num programa de tv que é a melhor solução e me paga para fazer isso.
Enquanto der tantos problemas, tenho trabalho garantido.
Qual a solução para essa situação?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Avaliação do Apple Smart Keyboard para iPad Pro 10.5

Nunca use maiúsculas ao criar endereço no iCloud

Como instalar Oracle Client no Debian e Ubuntu